X

Independência

Q
uando me pedem uma auto definição com adjetivos, normalmente, eu só penso em defeitos. Orgulhoso, teimoso, preguiçoso. E não é questão de humildade. É o que penso mesmo. Porém se existe um adjetivo que posso usar sem medo, e que para alguns ainda soa como defeito, é o independente.

A alegria que sinto em ser o responsável por mim mesmo, não cabe em caracteres. Gosto de tomar conta da minha própria vida. Minha casa, minhas regras. Meu trabalho, meu dinheiro. Tudo bem que esse papo de meu pode soar mais como egoísmo do que independência, mas não é o caso. Pelo menos não era para ser.

Aos 03 anos já fazia minha mamadeira

Aos 03 anos já fazia minha mamadeira

Saí da casa dos meus pais aos 17 anos. Uma série de motivos conspiraram para minha pseudo emancipação. Não cheguei a antecipar a maioridade oficialmente, mas assumi minha vida antes mesmo de completar 18 no RG.

E isso me trouxe bons ensinamentos. Aprendi a conviver comigo mesmo. A decidir mais sobre minha vida. A fazer escolhas difíceis e a me responsabilizar pelos meus próprios atos.

Crescer significa saber lidar com o que você faz de bom e com o que você faz de ruim. Até hoje, boa parte das minhas escolhas não tiveram as consequências tão fáceis quanto eu havia projetado na hora de tomar alguma decisão. Acredito, que se tivesse optado pelo plano B, ao invés do A, também não seria tão simples quando eu imaginei.

O fato é que ser independente, quase sempre, se esbarra na solidão. E aí é onde mora o perigo.

Aos 15 já trabalhava e tinha rotina independente

Acabei virando minha melhor e pior companhia. Dessa forma, tem dias que quero mais é ficar só, e outros dias que não me auto suporto. Isso faz algum sentido para você?

Sem dúvida, ser independente me trouxe maturidade. A carga de responsabilidade sobre os ombros, acaba deixando teu tronco mais firme, e no meu caso a postura mais curvada. E o saber que não devo nada a absolutamente ninguém, me faz acreditar que o meu futuro só depende de mim.

Pode parecer estranho, mas acho que ser independente está no sangue. Aos 03 anos aprendi a preparar minha mamadeira, de um jeito que só eu gostava, para acompanhar uma boa sessão de corrida maluca na TV Manchete. Aos 07, aprendi a pagar contas e ajudava minha mãe em casa. Aos 13, já viajava de férias sozinho e aos 15 tinha uma rotina complemente independente da minha família, inclusive trabalhando.

Não que eu ache isso muito natural. Porém, não é nada trágico também. É tudo questão de timming. Eu tenho o meu, e com certeza, você tem o seu.

Você é independente? Como surgiu sua independência? Se não é, qual o motivo da sua escolha?

Me conta.

Um comentário em “Independência”

  1. Maxwell Barcelos 03/09/2013 at 04:58

    Ser independente trás junto com essa novidade de vida, uma série de medo e inseguranças, deixamos nosso lares confortáveis e seguros, salvos por nossos guerreiros de infância, os assim intitulados “Pais”, e nos permitimos agarrar o mundo com as unhas e fazer dele o nosso campo de batalha, onde cada passo que damos seja em uma direção ou outra, é que pode determinar um rumo e o desfecho desta guerra, que só termina no último inflar de nossos pulmões. Dar o grito de liberdade, também é dar o grito “EI, eis-me qui!, estou sozinho!”. Mais daí o que desejamos realmente liberdade, ou fazer as próprias regras. Nem sempre seguir as próprias regras é sinal de liberdade, e sim um grito desesperado d’alma, dizendo: Socorram-me!

Deixe seu comentário

Nome *
Seu Email *
Website
Mensagem

Contato

Estabeleça um contato, fale com Marcelo Prata

Outros canais

Você também pode mandar seu recado pelas redes sociais. Basta identificar os perfis ao longo do site e mandar o seu recado. Não esqueça de colocar uma maneira de receber a resposta, seja por e-mail, telefone ou endereço.